5 cuidados ao trabalhar com remoção a laser de lesões pigmentadas

Os procedimentos de remoção a laser de lesões pigmentadas estão em alta nas clínicas de estética e saúde. São diversos equipamentos altamente eficazes disponíveis hoje no mercado, capazes de alcançar resultados satisfatórios com tratamentos simples e seguros.

O que são lesões pigmentadas?

Lesões pigmentadas nada mais são do que manchas ou placas de coloração escura encontradas na pele, ou seja, são regiões específicas que possuem uma grande pigmentação da pele.

Essas lesões podem ser identificadas como benignas, quando ela se caracteriza pela formação de células semelhantes às do tecido original crescendo de forma lenta e sem risco à saúde, ou malignas, quando há alteração das células que se proliferam de forma descontrolada e anormal, podendo se espalhar pelo corpo e comprometer o funcionamento normal do organismo.

As lesões pigmentadas benignas são classificadas de acordo com a sua profundidade na pele do paciente, sendo:

  • Epidérmicas: aquelas que encontram-se na camada mais superficial da pele, a epiderme.  As sardas, os lentigos solares, as ceratoses seborréicas pigmentadas, alguns tipos de pintas ou nevos e a hiperpigmentação pós-inflamatória se encaixam nessa classificação.
  • Dérmicas: aquelas que estão localizadas mais profundamente na pele, na derme. Aqui estão a mancha mongólica, o nevo azul e os nevos de Ota e Ito.
  • Mistas: aquelas lesões pigmentadas que podem possuir componentes superficiais e profundos. Como exemplo temos o melasma, o nevo de Becker e melanocitoses adquiridas.

Quais são os tratamentos para remover mancha pigmentada?

As lesões pigmentadas malignas, como o melanoma ou o carcinoma basocelular, devem ser removidas cirurgicamente, em sua grande maioria, sendo necessário realizar outros tipos de tratamentos médicos paralelamente.

A remoção de lesões pigmentadas benignas, como sardas, manchas da idade, marcas e sinais de nascença, efélides e melasma, podem ser feitas com o uso de equipamentos de laser, bastante indicados e eficazes nesse tipo de tratamento.

Como é feita a remoção a laser de lesões pigmentadas?

Os equipamentos que podem ser utilizados para tratamentos de remoção a laser de lesões pigmentadas possuem tecnologia de ponta, capazes de imprimir alta potência na quebra dos pigmentos presentes na pele, sem danificar os tecidos adjacentes.

Com isso, conseguem conferir tratamentos simples, seguros e minimamente invasivos, apropriados para todos os fototipos e com tempo mínimo de recuperação da pele.

De forma controlada, o aparelho de laser emite uma luz visível em pulsos curtos, rápidos e intensos, que penetram nas camadas da pele até chegar onde o pigmento está depositado. A energia é absorvida seletivamente por esses pigmentos de melanina, transformada em calor, quebrando-os em micropartículas.

As pequenas partículas de tinta, por sua vez, são englobadas pelos macrófagos do organismo, eliminadas pelo próprio sistema linfático do corpo. Com isso, à medida que esse mecanismo acontecem haverá um clareamento da região tratada.

Quais os cuidados ao se trabalhar com remoção a laser de lesões pigmentadas?

Ao optar por ofertar os protocolos de remoção a laser de lesões pigmentadas é preciso se atentar para alguns cuidados fundamentais para que o tratamento oferecido seja seguro para pacientes e clínicas.

Preparamos uma lista com 05 cuidados essenciais para quem deseja trabalhar com remoção a laser de lesões pigmentadas. Confira!

1.  Escolher a tecnologia certa

Mesmo que no mercado da beleza e estética possua diversos equipamentos que possam ser usados nos tratamentos de remoção para pele pigmentada, é preciso escolher dentre eles aquele que possua a melhor tecnologia.

O laser Q-Switched é ideal para remoção de lesões pigmentadas, já que os pulsos emitidos pelo aparelho são produzidos de forma intermitente e com duração ultrarrápida, além de serem feitos de forma direcionada, atingindo apenas o pigmento presente na pele. Dessa forma, a pele no entorno da região tratada se mantêm saudável e preservada.

Existem três tipos de lasers Q-Switched:

  • Ruby: com comprimento de onda de 694nm, consegue atingir mais os pigmentos escuros, como azul e preto, além de tatuagens amadoras.
  • Alexandrite: seu comprimento de onda de 775nm, remove de forma eficiente tatuagens coloridas, principalmente pigmentos verdes.
  • Nd:YAG: possui dois comprimentos de onda no mesmo equipamento, sendo 532nm e 1064nm, sendo capaz de atingir uma quantidade maior de cores dos pigmentos.

Por ser o mais versátil dos tipos existentes, a tecnologia Q-Switched Nd:YAG é a mais indicada para remover a laser lesões pigmentadas, já que conseguirá trazer resultados eficientes para diferentes tonalidades de pigmento presentes na pele.

2. Estar capacitado para aplicação

Mesmo que não seja um procedimento invasivo, que seja necessário ser feito em ambiente cirúrgico, somente profissionais capacitados podem realizar os protocolos de tratamento para hiperpigmentação da pele. É necessário corresponder com as habilitações exigidas pelos fabricantes dos equipamentos, bem como legislações nacionais.

Além disso, o profissional capacitado terá total domínio na avaliação pré-tratamento, já que entenderá o funcionamento do organismo, como características da pele. Saberá, também, identificar se o aparelho está funcionando corretamente e conduzir da forma correta situações de possíveis complicações e intercorrências ao longo do procedimento.

3. Orientar o cliente quanto aos cuidados necessários

Parte extremamente fundamental do tratamento para remover a laser lesões pigmentadas diz respeito aos cuidados durante e após as sessões. Os profissionais responsáveis pela aplicação do procedimento devem orientar, de forma clara e completa, os pacientes quanto às instruções a serem seguidas ao longo de todo o tratamento.

Cuidados como uso constante do protetor solar, correta higienização da região tratada, alimentação a ser seguida e o que evitar durante esse período, são essenciais para que os resultados atingidos sejam satisfatórios. Portanto, devem ser repassados para os pacientes, sanando todas as dúvidas que possam surgir.

4. Acompanhar de perto a evolução do tratamento

Outro ponto importante é o acompanhamento da evolução do paciente, que deve ser feito de perto e de forma personalizada. O profissional, de posse das informações colhidas na avaliação inicial pré-tratamento, deverá acompanhar se o organismo está reagindo conforme esperado. E, conforme o que for identificado, ajustar os parâmetros da máquina, número de sessões necessárias e recomendações pós procedimento.

5. Escolher um equipamento confiável e seguro

Ter um bom equipamento na clínica é garantia de ofertar o melhor tratamento com os melhores resultados para os pacientes. A escolha assertiva do aparelho para remoção de lesões pigmentadas será peça fundamental para o sucesso do negócio.

Como já dissemos, são diversos equipamentos disponíveis hoje no mercado. Para escolher a melhor opção para sua clínica de estética análise a tecnologia empregada aliada às facilidades operacionais da máquina.

Para garantir melhor segurança e eficácia, analise a procedência desses equipamentos pesquisando a expertise dos fabricantes, informações técnicas e se atendem a regulamentação necessária. O registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, garante que esse equipamento passou por todos os testes necessários, está apto a ser comercializado e é um produto com mínimos riscos de intercorrências.

Um excelente aparelho que atende a todos os critérios que descrevemos acima é o Inkie Laser, da Ligth laser. Com tecnologia de ponta, o equipamento tem interfaces intuitivas e fácil manuseio, um modelo que trará muitas vantagens competitivas para a sua clínica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Atendimento Online